Debes de conocer los nuevos criterios para dignósticar la fibromialgia fueron implantados en 2010 y serán instaurados en las consultas médicas poco a poco. Los resultados deben ser calculados por un profesional de la salud.

nuevos-criterios-para-el-diagnostico-de-la-fibromialgia

Hasta ahora desde 1990 en que el Colegio Americano de Reumatología (ACR) crease los criterios de diagnósticos para la fibromialgia, el diagnóstico de esta se basa en el dolor generalizado y la exploración de una serie de puntos sensibles.  En este mes, Mayo del 2010 el Colegio Americano de Reumatología ha creado unos nuevos criterios diagnósticos (The American College of Rheumatology Preliminary Diagnostic Criteria for Fibromyalgia and Measurement of Symptom Severity) en los que la palpación de los puntos sensibles deja de tener relevancia y se tienen en cuenta una serie de síntomas que hasta ahora no han sido tenidos en cuenta.  Para ello se utilizan dos escalas; La primera es el índice de Dolor Generalizado ( Widespread Pain Index (WPI)) y la segunda es el Índice de Gravedad de Síntomas (Symptom Severity Score – SS Score).  Los resultados sólo son válidos los sufridos en la última semana aunque se haya estado tomando medicación. A continuación se facilitan estas dos escalas (hay que recordar que los resultados son sólo válidos efectuados por el profesional de medicina que debe realizarlos).  Nuevos Criterios Preliminares para el Diagnóstico Clínico de la Fibromialgia Índice de Dolor Generalizado – Widespread Pain Index (WPI)  Ponga una cruz sobre cada área en la que ha sentido dolor durante la semana pasada, teniendo en cuenta que no debe incluir dolores producidos por otras enfermedades que sepa que sufre (artritis, lupus, artrosis, tendinitis, etc.): tabla areas dolorosas fibromialgia   Cuente el número de áreas que ha marcado y anótelo aquí: _____________ Observará que el valor WPI oscila entre 0 y 19.     Índice de Gravedad de Síntomas (Symptom Severity Score – SS Score) SS-Parte 1 Indique la gravedad de sus síntomas durante la semana pasada, utilizando las  siguientes escalas, que se puntúan del 0 (leve) al 3 (grave):    Sume el valor de todas las casillas marcadas y anótelo aquí: ____________ Observará que el valor SS-Parte 1 oscila entre 0 y 9.     Índice de Gravedad de Síntomas (Symptom Severity Score – SS Score) SS-Parte 2 Marque cada casilla que corresponda a un síntoma que ha sufrido durante la semana pasada.        Cuente el número de síntomas marcados, y anótelo aquí: ______________________ Si tiene 0 síntomas, su puntuación es 0 Entre 1 y 10, su puntuación es 1 Entre 11 y 24, su puntuación es 2 25 o más, su puntuación es 3 Anote aquí su puntuación de la SS-Parte 2 (entre 0 y 3): _______________________ Suma de su puntuación SS-Parte 1+ SS-Parte 2 = ____________________________ Compruebe que la puntuación se encuentre entre 0 y 12 puntos.  Recuerde estos datos han de ser analizados por el médico que le realice el diagnóstico El diagnóstico de fibromialgia estará en dos franjas (WPI 7 y una SS = 5) (WPI entre 3 y 6 y una SS = 9) . los afectados que tengan una clínica clara de fibromialgia pero no cumplen los criterios por una pequeña diferencia se ha propuesto el nombre de “Parafibromialgia”  Institut Ferran  Puede acceder a los sintomas de fibromialgia  Acceso a el original por Dr. Wolfe, Dr. Claw Nuevos criterios para el diagnóstico de la Fibromialgia  Wolfe F, Clauw DJ, Fitzcharles MA, Goldenberg DL, Katz RS, Mease P, Russell AS, Russell IJ, Winfield JB, Yunus MB. The American College of Rheumatology preliminary diagnostic criteria for fibromyalgia and measurement of symptom severity.

e acaban de diagnosticar fibromialgia? el dolor es tu mayor síntoma pero en la evolución de la enfermedad pueden o no presentarse más síntomas…te ayudará saberlo

costocondritis                   sintomas-y-sindrome-fibromialgia

Síntomas y síndromes Fibromialgia Además de dolor y agotamiento, hay una cantidad de síntomas y síndromes fibromialgia. Igual que el dolor y el agotamiento, la severidad de estos síntomas/síndromes tiende a acrecentar y disminuir y por eso, la molestia que les ocasionan a los pacientes varía de acuerdo con la severidad. Típicamente, los pacientes de fibromialgia sufren de uno o más de los siguientes síntomas típicos:  Anquilosamiento: Además del dolor, la rigidez del cuerpo puede representar un problema agobiador para las personas con fibromialgia.  Esta rigidez puede notarse particularmente temprano en la mañana, después de permanecer sentado por períodos prolongados o de estar de pie sin moverse, o por cambios de la temperatura o de la humedad relativa.  Dolores de cabeza cara Incremento de dolores de cabeza o de la cara: El dolor de cabeza/en la cara frecuentemente resulta de músculos del cuello o de los hombros extremadamente anquilosados o sensibles, transmitiendo el dolor hacia arriba.  disfunción de la articulación temporomandibular También puede acompañar una disfunción de la articulación temporomandibular (conocida por las siglas en inglés “TMJ”), una condición que afecta a aproximadamente una tercera parte de los pacientes con fibromialgia, que afecta las articulaciones de las mandíbulas y los músculos correspondientes.   disfunción temporomandibular Trastornos del sueño: A pesar de dormir las horas suficientes, los pacientes que sufren de la FM pueden despertarse y sentirse todavía cansados, como si hubieran dormido apenas.  Por otra parte, pueden experimentar dificultades al tratar de dormirse o en mantenerse dormidos. Se desconocen las razones por las que la fibromialgia causa que el sueño no sea reparador y otras dificultades del sueño.  Sin embargo, las primeras investigaciones que se hicieron en laboratorios de sueño sobre la FM documentaron interrupciones en la etapa más profunda del sueño (la etapa delta) de algunos pacientes con fibromialgia.  Trastornos cognoscitivos: Las personas que tienen fibromialgia informan sobre una variedad de síntomas cognoscitivos que tienden a cambiar de día en día. Estos incluyen dificultad para concentrarse, “lentitud mental”, “fibro-neblina”, lapsos de memoria, dificultad para recordar palabras/nombres y un sentirse fácilmente abrumada al enfrentarse con varias cosas que hacer a la vez.  Malestar abdominal: Muchas personas con la FM experimentan trastornos digestivos, dolores abdominales, meteorismo, estreñimiento y/o diarrea.  síndrome del colón irritable Estos síntomas se conocen colectivamente como el “síndrome del colón irritable” o por las siglas en inglés IBS (“irritable bowel syndrome”).  Además, algunos pacientes tienen dificultad para pasar alimentos, lo que según la investigación es un resultado de anormalidades objetivas en el músculo liso que funciona en el esófago. 2  Problemas genitourinarios: Es posible que los pacientes con la FM se quejen de un aumento en la frecuencia o de mayor urgencia para orinar, típicamente, sin una infección de la vejiga.  cistitis intersticial Algunos pacientes pueden presentar una condición más crónica que es la inflamación dolorosa de la pared de la vejiga, lo cual se conoce como “cistitis intersticial” (CI).  En las mujeres, la FM puede ocasionar que los períodos menstruales sean más dolorosos o que los síntomas de la FM se vuelvan peores durante ese tiempo.  vulvodinia En las mujeres, también pueden presentarse otras condiciones, tales como la vestibulitis vulvar o vulvodinia, caracterizadas por dolores en la región de la vulva y por dolores durante el coito.  Parestesia: A veces, el SMF se asocia con un entumecimiento u hormigueo (por ejemplo, en las manos o los pies). También conocida como parestesia, la sensación se puede describir como picazón o ardor.  Puntos miofasciales hipersensibles: Un número significativo de pacientes con la FM tienen una condición neuromuscular conocida como el “síndrome del dolor miofascial” (MPS, siglas en inglés) en el que se forman unos puntos extremadamente dolorosos (puntos hipersensibles) distribuidas en bandas encogidas en los músculos u otros tejidos conectivos, muchas veces a consecuencia de una herida resultando de movimientos repetitivos, postura incorrecta durante períodos largos o enfermedad.  No son solamente muy dolorosos sino que transmiten el dolor a otras partes del cuerpo en maneras fáciles de predecir.   síndrome del dolor miofascial es una condición localizada en áreas muy específicas, típicamente en el cuello, los hombros o en la cintura A diferencia de las maneras en que la FM afecta todo el cuerpo, el síndrome del dolor miofascial es una condición localizada en áreas muy específicas, típicamente en el cuello, los hombros o en la cintura. El TMJ se considera una forma de este síndrome.  Síntomas del tórax: Los que tienen la fibromialgia y participan en actividades que les obligan a inclinarse hacia adelante (p. ej., escribir a máquina o sentarse a un escritorio, trabajar en una línea de producción, etc.) muchas veces tienen problemas particulares con dolores del pecho o las partes superiores del cuerpo, o sea dolores y disfunciones torácicos. 3      costocondritis A menudo, estos dolores van acompañados de jadeos y problemas de postura. Algunos pacientes pueden también presentar una condición llamada “costocondralgia” (también conocida como costocondritis), que es un dolor muscular en donde las costillas se unen al esternón. A veces esto se confunde con una enfermedad cardíaca.   costocondritis Las personas que tienen la FM son susceptibles a una condición cardíaca generalmente asintomática llamada prolapso de la válvula mitral (PVM) en la cual una de las válvulas del corazón se hincha durante un latido, causando un chasquido o soplo.  Por lo general, un PVM no es motivo de preocupación en los pacientes con la FM a menos que haya otra condición cardíaca. (Nota: Cualquier persona que experimente dolor torácico, deberá consultar siempre a un médico inmediatamente.)  Desequilibrio: Los pacientes con la FM pueden experimentar problemas de desequilibrio por una variedad de razones. Ya que se cree que la fibromialgia afecta los músculos esqueléticos de seguimiento de los ojos, pueden experimentarse náuseas o “confusión visual” al conducir un carro, al leer un libro o ya sea al seguir objetos con la vista. (Las dificultades con los músculos lisos del ojo también pueden ocasionar otros problemas de foco.) 4  Puede ser también que el tener músculos débiles, o puntos hipersensibles en el cuello o una disfunción de TMJ pueden producir desequilibrio.  Los investigadores del Johns Hopkins Medical Center también han demostrado que algunos pacientes con la FM tienen una condición conocida como “hipotensión de origen neurológico” lo que causa, al ponerse de pie, un bajón en la presión arterial y en la frecuencia cardíaca, produciendo mareos, náuseas y dificultad para pensar con claridad. 5  Sensaciones en las piernas: A veces, algunos pacientes de la FM presentan un trastorno neurológico conocido como el “síndrome de las piernas inquietas” (“restless leg syndrome, siglas en inglés, RLS).  síndrome de las piernas inquietas Esta condición es caracterizada por un impulso incontrolable de mover las piernas, sobre todo cuando se está descansando o reposando.  Un estudio reciente reveló que tal vez el 31% de los pacientes con la FM tenga el RLS. 6 El síndrome también puede ocasionar movimientos periódicos de las extremidades durante el sueño (“periodic limb movement syndrome”, o PLMS, siglas en inglés), lo que puede ser muy molesto al paciente y a su pareja.  Hipersensibilidad sensorial/síntomas alérgicos: La hipersensibilidad a luz, a sonidos, toques y olores ocurre frecuentemente con los pacientes con la FM y se cree que resulta de una hipervigilancia del sistema nervioso.  Además algunas personas con la FM pueden tener escalofríos o frío mientras que otros cerca se sienten a gusto; o puede que tengan calor mientras que otros no.  Pueden tener reacciones parecidas a las alérgicas a una variedad de sustancias acompañadas de la comezón o el sarpullido, o los pacientes tal vez experimenten una forma de rinitis no alérgica caracterizada por la constipación o excreciones de la nariz y dolor en los senos nasales, pero sin las reacciones inmunológicas que se dan en las condiciones alérgicas.  Sin embargo, cuando se presentan tales síntomas, por lo general no se nota ninguna respuesta del sistema inmune como la que se puede medir en las reacciones verdaderamente alérgicas. 7  Problemas de la piel: Síntomas molestos, como prurito, resequedad o manchas, pueden acompañar la FM.  Los pacientes con fibromialgia también pueden experimentar una sensación de hinchazón, particularmente en las extremidades, como en los dedos.  Hinchazon exclusiva de Fibromialgia Una queja común es que el anillo ya no le cabe. Sin embargo, este tipo de hinchazón no es equivalente a la inflamación asociada con la artritis; más bien, es una anomalía localizada de la fibromialgia cuya causa es desconocida actualmente.  Depresión y ansiedad: Aunque con frecuencia, los pacientes con la FM son diagnosticados incorrectamente con trastornos de depresión o ansiedad, (“estás imaginándolo todo”), la investigación ha mostrado repetidas veces que la fibromialgia no es una forma de depresión ni de hipocondría.  Sin embargo, siempre que la depresión o la ansiedad ocurran con la fibromialgia, es importante su tratamiento ya que estas condiciones pueden exacerbar la FM e interferir con el manejo exitoso de los síntomas.  “Inspirado y adaptado libremente del texto “Fibromialgia: por sus síntomas la conoceréis”,

Façam com que o Vosso médico lhes apresente uma “ajudinha

teresa-paiva

LEVANTAR ANTES DAS SEIS DA MANHÃ É PREJUDICIAL À SAÚDE”  Teresa Paiva falou à revista Sábado de há quinze dias sobre os riscos da nova moda de levantar muito cedo, para trabalhar, fazer ginástica ou desporto, negócios, mesmo festas, “raves suaves”, como lhes chamam as jornalistas Raquel Lito e Tânia Pereirinha, autoras do artigo “A nova vida das madrugadas”, publicado na edição da revista de 29 de Setembro de 2016.  “Fizemos estudos que confirmam que o levantar antes das 6h é prejudicial à saúde”, diz a neurologista e especialista em medicina do sono.  “O maior período de risco cardiovascular – que é quando as pessoas têm mais enfartes, acidentes vasculares cerebrais etc. é entre as 5h e as 6h. Isso acontece porque ao fim da noite, antes de acordarmos, a produção de cortisol [hormona que dá energia juntamente com a adrenalina e está associada ao stress] está no seu máximo – vai diminuindo ao longo do dia. Antes de fazerem exercícios matinais violentos, as pessoas devem perceber se estão bem do ponto de vista fisiopatológico e fazer um estudo circadiano da evolução da parte cardíaca. A partir dos 40 anos eu teria cuidado”, acrescenta Teresa Paiva.  Acordar muito mais cedo que as seis da manhã tem riscos acrescidos.  “Às 4h da manhã, que é a hora em que a produção de melatonina está no máximo, temos um mínimo de actividade cognitiva e um máximo de probabilidade de fazer erros. Não se deve conduzir, nem tomar decisões, porque não se está bem. Há picos de acidentes a essa hora” diz a especialista do sono.  Teresa Paiva alerta para várias regras de sono essenciais. “Deitar cedo ou tarde demais, tal como dormir de menos ou demais, faz sempre mal. O sono está tão bem preparado para nós que deve ser feito quanto baste e de forma agradável”, refere.  “Dormir uma média de oito horas de sono por dia”, os noctívagos não se deitarem depois da 1 da manhã, já que “deitar depois dessa hora é um problema e a partir das 2h uma doença”  e que os despertadores dos matutinos não toquem antes das 6 da manhã são os conselhos de Teresa Paiva.  Mesmo assim, a especialista alerta que estes hábitos extremados deixam marcam:  “as pessoas matutinas são mais racionais, directivas, assertivas. As noctívagas divagam mais, são mais criativas.”

Mais um maravilhoso remédio da medicina natural. Ele cura rapidamente as dores da artrite, artrose, joelhos e articulações. E também é excelente no tratamento da fibromialgia. Aprenda

canela-de-velho_-_dor_-_artrite_artrose_e_articulacoes

A natureza é realmente extraordinária e o seu poder de cura não tem limites.  Há os que duvidam disso, mas certamente eles foram “condicionados” a acreditar apenas na medicina das grandes corporações farmacêuticas.  E também há os que por falta de informação caem nas garras da indústria da doença, que na verdade não quer a cura de ninguém, mas apenas faturar em cima do sofrimento das pessoas.  Entenda uma coisa: informação é um tesouro!  Mas algumas pessoas ainda não perceberam isso e continuam buscando os veículos tradicionais para se informar.  Esses veículos estão totalmente comprometidos com o sistema e nunca vão ensinar os caminhos das curas naturais, que não dão lucro e por isso não interessam à poderosa indústria farmacêutica.  Hoje você vai aprender mais uma cura da medicina popular.  Uma bebida que tem o incrível poder de curar artrite, artrose, dores nos joelhos, nas articulações e até a fibromialgia.  Um verdadeiro presente do Criador para todos nós.  Estamos falando do chá de uma planta conhecida como canela-de-velho, muito comum no Nordeste brasileiro, especialmente nos estados da Bahia e Sergipe.  No Brasil, existem muitas plantas chamadas de canela-de-velho.  Mas a que você tem de procurar é de nome científico Miconia albicans.  Ela é encontrada com certa facilidade nos estados citados.  Mas, se não encontrar na sua cidade, você pode comprá-la na internet.  canela-de-velho_-_dor_-_artrite_artrose_e_articulacoes.jpg  Pesquise no Google e encontrará facilmente.  Os principais benefícios da canela-de-velho são o combate às dores da artrite e artrose.  Mas ela tem muitos outros, sendo usada até como tratamento auxiliar contra o câncer.  Mas, no caso das dores de artrite, artrose e articulações, seu efeito de cura é incrível.  Há quem diga que ela traz alívio imediato para doenças como artrose, artrite reumatoide e inflamações nas articulações.  Ela também tem comprovado uso contra tendinites, inflamações gerais, torcicolos, bursites, torções nos pés, dores na coluna, hérnias de disco, problemas intestinais, complicações da diabetes e doenças estomacais.  Como fazer o chá:  canela_de_velho.jpg     INGREDIENTES  1 litro de água  15 folhas de canela-de-velho  MODO DE PREPARO  Coloque a água para ferver.  Quando levantar fervura, coloque as folhas, deixe ferver por mais 30 segundos, desligue o fogo e tampe a panela.  Tome duas xícaras por dia, antes do almoço e antes do jantar.  O que sobrar do chá use para aplicar externamente na região afetada.  O tempo mínimo de tratamento para se obter bons resultados é de 30 dias, podendo se estender por mais 60 dias.  Mas há casos em que a ação é muito rápida, isso vai depender do estágio de cada doença.  E, mesmo que os resultados sejam imediatos, o tratamento deve ser continuado pelo prazo mínimo de 30 dias.  É comum que a dor desapareça logo na primeira semana de tratamento e a pessoa, simplesmente, para de tomar o chá.  Isso é um grande erro, pois deixa o tratamento sem conclusão.  Em resumo, o chá deve ser tomado e aplicado na localidade afetada pelo tempo mínimo de 30 dias.  Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Espanha continua com um deficiente Conceito sobre Fibromialgia! Contrariamente ao que é dito no texto, esta patologia NÃO É uma doença degenerativa!

hypothyroidism_01-1

O TSJC considera que a condição é motivo de incapacidade permanente Cada dia mais frases que consideram as pessoas com fibromialgia, uma doença degenerativa que leva a outras doenças como a fadiga crônica e depressão, têm direito a receber benefícios por incapacidade de Segurança Social absoluta. O INSS não reconhece qualquer benefício, ou só torna parcialmente, de modo que as pessoas afectadas devem rever judicial. Durante anos, os tribunais rejeitaram as petições. Mas agora é diferente.  A Câmara Social do Tribunal de Justiça da Catalunha Superior emitiu uma nova decisão-o 28 de outubro de 2015, que dá razão ao requerente, uma mulher que trabalha em uma indústria química Girona, porque “doenças que sofrem formar uma caixa que impede o desenvolvimento adequado de todos os tipos de trabalho, incluindo tarefas sedentárias natureza que não exigem especialmente intensos esforços físicos “.     O recurso é rejeitado Segurança Social  O comunicado acrescenta que a requerente “é afetado pelo aumento da desordem de natureza grave que ocorre com intensidade suficiente para cancelar a sua capacidade de trabalho, às quais se juntam as outras doenças degenerativas”. Portanto, o TSJC nega provimento ao recurso de reversão movida pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) contra a decisão já proferida no Tribunal de Trabalho 1 Girona em 2013  O advogado do recorrente, Antonio Diaz explica que estas declarações Tarragó abrir uma porta para o futuro das pessoas afectadas, porque estes “são tributários de incapacidade permanente absoluta com crônicas, persistentes, graves ou casos graves.” A degenerescência da doença nesta fase se encontra a maioria das pessoas que sofrem.

Algumas doenças surgem aparentemente sem nenhum motivo. Porém, basta uma rápida análise no estilo de vida da pessoa para compreender o porquê do surgimento e evolução de algumas doenças…

 

essa-planta

ESTA PLANTA PODE CURAR VERTIGEM, FIBROMIALGIA, LÚPUS, ARTRITE, FADIGA CRÔNICA E ESCLEROSE! Nina Greguer •
Algumas doenças surgem aparentemente sem nenhum motivo.

Porém, basta uma rápida análise para o estilo de vida que a pessoa está levando para compreender o porquê do surgimento e evolução de algumas doenças.

Entre as doenças que ninguém sabe o motivo de seu surgimento e na maioria das vezes nem sequer sabem como curar estão, lúpus, artrite reumatóide, tonturas, fibromialgia e esclerose múltipla. Doenças que cada vez mais acometem um número maior de pessoas a nível mundial e que muitas vezes acabam causando um final doloroso,

Mas hoje, será levado ao conhecimento do leitor uma fórmula muito simples, porém milagrosa, para curar todas estas doenças:

TOMILHO: Uma planta que tem excelentes propriedades medicinais e tem sido utilizado industrialmente por laboratórios e empresas farmacêuticas há muito tempo.

essa-planta
Acredite ou não, o tomilho que usamos na cozinha tem grandes quantidades de potássio, ferro e cálcio que regulam a pressão arterial, beneficiam a criação de novas células vermelhas do sangue e combatem doenças como a bronquite, dor de garganta, asma, laringite, lúpus, fibromialgia, fadiga crônica, vertigens, esclerose, etc.

PREPARAÇÃO:

Você vai precisar de:

1 ramo de tomilho fresco ou seco;
1 xícara de água;

Aqueça a água, porém não a deixe ferver;

Adicione um punhado de tomilho previamente lavado;

Deixe em infusão por 5 minutos;

É aconselhável consumir, pelo menos, duas vezes por dia, uma de manhã antes do almoço e outra antes de dormir para aproveitar as propriedades medicinais do tomilho.

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Se você não conhece esta doença a FIBROMIALGIA, trata-se de uma doença que causa fortes dores em todo o corpo. Saiba mais e confira alguns remédios caseiros bastante eficazes no combate deste mal. Veja aqui!!

232611-500-340

Mas afinal, o que é fibromialgia ? A Fibromialgia é uma síndrome clínica que se expressa, antes de tudo por meio de muitas dores no corpo inteiro. Por diversas vezes fica complicado distingui a dor. A dúvida é saber se a dor é nos músculos ou nas articulações. Pessoas que tem fibromialgia geralmente dizem que não há nenhuma parte do corpo que não doa. Junto a dor, aparecem também sinais de fadiga (cansaço), sono não reparador (quando a pessoa ainda acorda cansada, com a sensação de que não dormiu) e outras mudanças como complicações de memória e dificuldade de concentração, ansiedade, formigamentos/dormências, depressão, dores de cabeça, tontura e mudanças intestinais. Saiba mais em : Remédio Caseiro para Fibromialgia.
Fibromialgia
A fibromialgia se caracteriza por músculos frágeis e doloridos e dores nas articulações semelhantes as dores da artrite reumatoide, além de fadiga e pertubações no sono. As regiões comumente afetadas são o pescoço, os ombro, a coluna lombar, peito e coxas. É considerada uma espécie de síndrome da fadiga crônica, tendo a dor e não o cansaço predominante. A depressão com frequência é também uma queixa, devido á falta de sono. As causas podem ser virais ou um acúmulo de toxinas. Má alimentação, drogas, alergias, e deficiência nutricionais também podem fazer parte do quadro. Nem a causa nem a cura são de todo compreendidas, mas uma boa alimentação pode ajudar na recuperação. Pessoas que tem fibromilagia, geralmente tem uma característica, a grande vulnerabilidade ao tocar e à compressão de pontos diferentes nos corpos.
Causas da fibromilagia
A fibromialgia não tem-se ainda uma causa que possa defini-lá. Sabe-se apenas algumas de poucas pistas do motivo que as pessoas desenvolvem fibromialgia.

Remédio Caseiro para Fibromialgia

Remédio Caseiro para Fibromialgia
Lembre-se antes de tudo, em qualquer que seja a doença ou complicação, o tratamento começa pela alimentação. No caso da fibromialgia, há uma chance que a alimentação não tenha sido apropriada por algum tempo. Ás vezes as consequêncais é a indispensável limpeza do organismo.

Como será necessário a desintoxiação (nesses casos) é recomendado uma dieta natural. Veja :

Dar início ao tratamento com um ou dois dias de dieta exclusivamente baseada em frutas e verduras, podendo serem elas cruas ou ao vapor.
No perído de 15 dias o paciente deverá tomar diariamente 3 ou 4 xícaras de alguma infusão depurativa (dente-de-leão, cardo mariano, bardana, raiz de salgueiro – analgésico natural -, etc.).
Subsequentemente a alimentação deverá ser rica em frutas, verduras, legumes e cereais integrais e com poucas proteínas e gorduras animais, evitando claro, comidas refinadas e pré-cozidas e o sal. A dieta deve ser alcalina, já que a fadiga acidifica o organismo.
Sal de banho Epsom
Epsom sal é sulfato de magnésio. Imersão em um banho de sal Epsom ajuda o corpo a absorver magnésio. Fibromialgia é frequentemente associada com a deficiência de magnésio. Este banho calmante também pode ajudar a reduzir a dor e induzir o relaxamento.

Misture 2 xícaras de sal Epsom na água do banho quente
Mergulhar nele por cerca de 20 minutos
Faça isso até 3 vezes por semana
Chá unha de gato
Ingredientes :

-Folhas trituradas de unha de gato

-Água

Utilizar-se da medição de 1 colher de sopa das folhas trituradas para 1 litro de água
Unir os dois e deixar ferver
Deixar a mistura no fogo por mais 3 ou 4 minutos após a fervura da mesma
Retirar do fogo após o tempo indicado e deixar em repouso por 10 minutos
Por fim, coe e beba de 2 a 3 xícaras ao dia
Açafrão
Devido às suas propriedades anti-inflamatórias potentes, açafrão pode ajudar a tratar a fibromialgia acompanhada de doença reumática. Ele contém um composto chamado curcumina que também ajuda a aliviar a dor e rigidez.

Misture ½ a 1 colher de chá de açafrão em pó em 1 xícara de leite
Aqueça até ferver, em seguida, deixe-o esfriar
Beba-o uma vez ou duas vezes por dia
Observação : Você também pode incluir açafrão em sua cozinha. Outra opção é tomar esta erva em forma de suplemento, de 400 a 600 mg 3 vezes por dia. Consulte o seu médico antes de iniciar qualquer regime de suplemento.

Erva de São João
O chá de erva de São João possui propriedades relaxantes, diminuindo assim as dores da fibromialgia, sendo por isso outro excelente remédio caseiro para fibromialgia.

Ingredientes

1 colher (de chá) de folhas de erva de São João
500 ml de água
Modo de Preparo

Colocar os ingredientes em uma panela e levar ao fogo
Quando ferver, desligar o fogo e tampar a panela
Deixar esfriar com a tampa
Coar e beber 3 a 5 xícaras por dia
Vinagre de maçã
O vinagre de maçã ajuda a equilibrar os níveis de pH do corpo, reduzir o estresse oxidativo e melhorar a circulação. Isso pode ajudar a reduzir os sintomas da fibromialgia, como problemas gastrointestinais, fadiga, dores de cabeça, dor nas articulações, inchaço e inflamação.

Adicione 1 a 2 colheres de sopa de cru, vinagre de maçã não filtrado para um copo de água
Opcionalmente, adicione um pouco de mel
Beba-o duas vezes por dia
Observação : Se você não está acostumado a tomar vinagre de maçã, começar adicionando uma colher de chá para um copo de água e aumentar gradualmente a dosagem.

 

A origem da Fibromialgia está no sistema nervoso central! Não nos nervos! Não devemos confundir ! Não é imaginação! É bem real!

8044747-1

O Sistema Nervoso Central tem sido confirmado como a”origem da Fibromialgia”, tal como apareceu no National Pain Report em Maio (pode ler aqui: http://goo.gl/rWo3GJ ).
E agora, um novo estudo encontrou ainda mais coisas.
Um estudo alemão publicado esta semana (Outubro de 2015) na BMC Neurology investigou o envolvimento do Sistema Nervoso Central em pacientes com Fibromialgia, foi feito a partir de um exame de imagem ao Sistema NervosoCentral o functional near infraredspectroscopy (fNIRS) – uma tecnologia de neuro-imagem que oferece um exame não invasivo, seguro e de baixo custo, de maneira a monitorizar a atividade do cérebro.

O que os investigadores descobriram é importante para a própria compreensão desta doença dolorosa: o processamento do Sistema NervosoCentral em pessoas com Fibromialgia é fundamentalmente alterado, E, há uma distinção clara entre Fibromialgia e depressão major.

Assim, embora possa ser da sua cabeça, certamente não é tudo na sua cabeça! E, Fibromialgia NÃO é depressão, embora as duas condições podem estar presentes em conjunto.
Imagem
Sistema Nervoso Central
“Com base em dados da ressonância magnética funcional(fMRI) (tecnologia de imagem diferente do que fNIRS), a hipótese de que a dor associada à activação cortical em pacientes com FM é mais forte e tem uma distribuição espacial mais ampla em comparação com os controles que podem ser detectados com fNIRS,”escreveram os investigadores. “Para testar esta hipótese, foi realizado o fNIRS sob estímulo doloroso em grupos de pacientes com Fibromialgia, Depressão major unipolar, sem dor, e controles saudáveis.”

“O nosso estudo contribui para a crescente evidência de uma ativação cerebral aumentada com a estimulação dolorosa como um contribuinte para a dor na Fibromialgia”, disseram os investigadores. “Além disso,as diferenças claras na activação cortical durante uma tarefa cognitiva pode ser observada entre os pacientes que sofrem de Fibromialgia e depressão major.”
Os destaques do novo estudo incluem:
Os pacientes com Fibromialgia sentem o limiar dador de pressão antes e sentem dor mais intensamente.
Pacientes com Fibromialgia mostram ativação cerebral bilateral com a estimulação dolorosa unilateral
O limiar de estimulação da dor induz a ativação cerebral apenas em pacientes com Fibromialgia
O desempenho cognitivo não é diferente entre pacientes com Fibromialgia e controles, enquanto a ativação pré-frontal é diferente entre pacientes com Fibromialgia e depressão
Pacientes com Fibromialgia têm a ativação cortical inferior melhor no desempenho do VFT do que aqueles com alta ativação cortical
Os autores concluíram, “A maior contribuição do nosso estudo exploratório é que o fNIRS, é uma nova técnica de imagem fácil de aplicar, sem efeitos colaterais, é adequado para investigar atividade cortical associada à dor. Além disso, os pacientes com Fibromialgia mostram um padrão de activação após estimulação cortical dolorosa que é distinto de controlos saudáveis e em especial a partir de doentes com depressão. Isso reforça a noção de que a Fibromialgia é uma entidade independente, em vez de ser uma mera variante da depressão”.

Estes novos resultados da investigação mostram um entusiasmante avanço para uma melhor compreensão da Fibromialgia, bem como a sua nítida diferença de outras patologias, muitas vezes é confundida a depressão.

Essa dor é real!

%db%b1%db%b6-%d9%87-%d8%b4-1

O que é Fibromialgia?
Cerca de 2,5% da população brasileira é atingida pela fibromialgia, mas ainda existem muitas dúvidas a respeito dessa doença. Na verdade, a fibromialgia só foi catalogada muito recentemente e, por isso, até mesmo os médicos desconhecem esse problema. É muito comum que as pessoas procurem um especialista e sejam descreditadas, já que a dor é “invisível”. Assim, é muito importante divulgar e informar sobre essa doença, que está se tornando cada vez mais comum.
fibromialgia
Veja os principais pontos de dor da fibromialgia
Sintomas da Fibromialgia

O principal sintoma da fibromialgia é a dor intensa por todo o corpo. Quem sofre com o problema pode, inclusive, ter dificuldade para executar tarefas simples, como limpeza da casa ou levantar objetos do chão. Além da dor, outros sintomas também são característicos da doença, como:
Cansaço;
Falta de disposição;
Dificuldade para dormir;
Síndrome do cólon irritável;
Sensibilidade ao urinar;
Dor de cabeça;
Distúrbios emocionais.
Causas da Doença

Pouco se sabe sobre os fatores que levam ao aparecimento da fibromialgia, mas estudos mostram que desequilíbrios hormonais e o estresse estão relacionados com o surgimento da doença. Por essa razão, as mulheres são as principais vítimas – a cada 10 casos, apenas 2 acometem os homens. Nos pacientes, observa-se uma queda nos níveis de serotonina, substância responsável pela sensação de bem estar. Isso explica grande parte dos sintomas. As dores podem ser confundidas com algumas doenças reumáticas, mas, no caso da fibromialgia, não existem inflamações ou deformidades físicas. Contudo, é importante ressaltar que as dores são reais, e não fruto de distúrbios psicológicos.
Como Tratar

Infelizmente, ainda não existe cura para a fibromialgia, mas o tratamento pode obter bons resultados. Recomenda-se o uso de medicamentos para dor e antidepressivos, acompanhados de psicoterapia. A acupuntura e a fisioterapia também podem auxiliar, e muito, na redução das dores causada pela doença. Se você sofre com problema, lembre-se de:
Não carregar peso;
Evitar situações estressantes;
Fazer atividades físicas adequadas para o seu caso;
Procurar posições confortáveis quando for ficar na mesma posição por muito tempo.

 

El gluten puede incidir en los síntomas de la fibromialgia?

2

Fibromialgia y fatiga crónica causada por sensibilidad al gluten no celíaca
Fibromyalgia and chronic fatigue syndrome caused by non-celiac gluten sensitivity
Carlos Isasia,, , , Eva Tejerinab, Natalia Fernandez-Pugac, Juan Ignacio Serrano-Velad
a Servicio de Reumatología, Hospital Puerta de Hierro, Majadahonda, Madrid, España
b Servicio de Anatomía Patológica, Hospital Puerta de Hierro, Majadahonda, Madrid, España
c Servicio de Aparato Digestivo, Hospital Puerta de Hierro, Majadahonda, Madrid, España
d Asociación de celíacos y sensibles al gluten de Madrid, Madrid, España
Sr. Editor:
La sensibilidad al gluten con pruebas de enfermedad celíaca negativas o sensibilidad al gluten no celíaca es un problema recientemente reconocido cuyas manifestaciones clínicas se superponen con las de la fibromialgia, la fatiga crónica y el intestino irritable.

Se presenta el caso de una mujer de 40 años de edad que consultó por una historia de 7 años de evolución de dolor generalizado y cansancio crónico. Había sido diagnosticada de fibromialgia por varios reumatólogos y reunía los criterios de clasificación de fibromialgia de 1990 del Colegio Americano de Reumatología. También reunía criterios de síndrome de fatiga crónica. Tenía problemas de concentración y de memoria, «foggy mind», y diarrea intermitente. La severidad de la afectación le condicionaba una vida prácticamente limitada a estar en cama a pesar de haber consultado con especialistas en reumatología, gastroenterología y también medicina natural y homeopatía. Además de los síntomas típicos de fibromialgia, fatiga crónica y diarrea intermitente, tenía aftas orales, hipotiroidismo autoinmune e historia de ferropenia. Se habían realizado múltiples estudios con resultado normal, incluyendo anticuerpos anti-transglutaminasa IgA para descartar la enfermedad celíaca.

En nuestra unidad hay una alta sospecha de sensibilidad al gluten y se realizaron más estudios. Una nueva analítica solo mostró ferropenia y niveles de vitamina D por debajo de lo normal. El test de cribado para anticuerpos anti-transglutaminasa y anti-péptido deaminado de gliadina, tanto IgG como IgA fue negativo. El tipado HLA mostró la presencia de DQ2 (DQA1*05 DQB1*02). La gastroscopia mostró pequeñas lesiones eritematosas en bulbo duodenal. Las biopsias duodenales mostraron normalidad de la estructura de las vellosidades y duodenitis linfocítica con redistribución apical, con 28 linfocitos CD3 por cada 100 enterocitos (lesión tipo I de Marsh). El test de ureasa para Helicobacter pylori fue positivo. La enfermedad celíaca se descartó por la ausencia de anticuerpos específicos y de atrofia de vellosidades intestinales, pero se mantuvo la sospecha de sensibilidad al gluten. Se recomendó dieta sin gluten sin tratar la infección por Helicobacter pylori.

A los 6 meses de comenzar la dieta se observó una marcada mejoría de toda su sintomatología, remisión de las aftas orales, y volvió a trabajar después de un largo periodo de baja laboral. Cuando comía pequeñas cantidades de gluten experimentaba recidiva de toda su sintomatología. Se añadieron suplementos de hierro y multivitamínico con minerales. En el seguimiento a los 2 años de comenzar la dieta había remisión de la fibromialgia, seguía trabajando y jugaba al padel. En ese tiempo su hija fue diagnosticada de enfermedad celíaca con anticuerpos anti-transglutaminasa positivos y atrofia de vellosidades en la biopsia duodenal.

La existencia de la sensibilidad al gluten no celíaca está reconocida en base a la observación de pacientes cuyos síntomas responden a la dieta sin gluten pero tienen pruebas diagnósticas de enfermedad celíaca negativas1–4. La duodenitis linfocítica es un rasgo de la enfermedad celíaca que puede ser vista sin atrofia de vellosidades en la sensibilidad al gluten no celíaca, aunque no es un hallazgo específico ya que puede ser debido a otras causas como el Helicobacter pylori5,6. Cuando, como en este caso, un paciente con sensibilidad al gluten tiene susceptibilidad de HLA y enteropatía Marsh 1, hay tanta cercanía a la enfermedad celíaca que se ha propuesto el término de enfermedad celíaca Marsh 17. En esta paciente se decidió intentar dieta sin gluten sin tratar el Helicobacter porque se consideró muy improbable que tratarlo mejorase el cuadro fibromiálgico.

Se ha descrito recientemente la sensibilidad al gluten no celíaca como causante de fibromialgia8. Este caso refuerza esta hipótesis debido a la llamativa respuesta clínica, la recidiva tras la toma de gluten, el tipado HLA, la presencia de duodenitis linfocítica en la biopsia duodenal y el diagnóstico posterior de enfermedad celíaca a su hija.