é uma doença sem cura e pouco conhecida, que ainda gera muita desconfiança

1195606

Especialista explica as principais características da fibromialgia  e como é possível amenizar as crises de dor causadas pela doença  A Fibromialgia não possui cura, mas pode ter os efeitos controlados com tratamento.  A fibromialgia é conhecida como a doença que provoca dores por todo o corpo sem que haja um motivo – seja por lesão, trauma, infecção, etc. Ainda sem definição precisa, pouco se sabe como a patologia se manifesta e costuma-se, inclusive, associá-la somente a fatores psicossomáticos.   Apesar de já terem sido confirmados casos em idosos, adolescentes e até mesmo crianças, a fibromialgia é mais comum em mulheres (90% dos casos), principalmente com idade entre 30 e 55 anos,  Há uma estimativa de que aproximadamente 5% da população mundial sofre com a doença, enquanto no Brasil estes números ficam próximos dos 3% dos brasileiros.  Entre os sintomas mais comuns da fibromialgia podemos destacar: cansaço; dificuldade de concentração;  ansiedade; formigamentos e dormências de membros; depressão; tontura; alterações intestinais.  O grande problema é que estes sintomas podem durar um longo período – meses ou até mesmo anos – até que seja feito um diagnóstico definitivo.  O que é fibromialgia  De acordo com o reumatologista e clínico geral da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), André Luiz Luquini Pereira, a fibromialgia é definida como uma síndrome, ou seja, um conjunto de sinais e sintomas, manifestando-se através de dores pelo corpo.   Ainda não foram identificadas causas específicas para a doença, mas alguns estudos indicam que os pacientes diagnosticados apresentam uma sensibilidade maior à dor do que as outras pessoas.   “É como se o cérebro das pessoas com fibromialgia interpretasse de forma exagerada os estímulos, ativando todo o sistema nervoso para fazer a pessoa sentir mais dor”, afirma Pereira.   O reumatologista lembra ainda que, apesar de se tratar de dores que se manifestam sem a existência de um motivo específico, ela pode surgir a partir de uma situação traumática.   “A fibromialgia pode aparecer depois de eventos graves, como um trauma físico, psicológico ou infecções intensas. É preciso destacar ainda que situações como excesso de esforço físico, exposição ao frio, estresse, ou doenças infecciosas podem piorar as dores”.  A situação pode piorar de acordo com as questões emocionais, pois o cérebro interpreta a dor sob influência de diversos elementos, principalmente os sentimentos.   “Isto pode ser explicado pelos neurotransmissores — substâncias químicas cerebrais que conectam as células nervosas —, como a serotonina e a noradrenalina. Essas substâncias têm papel importante na interpretação da dor e na depressão”, explica André Luiz Luquini Pereira.   Diagnóstico difícil, mas tem tratamento  A fibromialgia é uma doença difícil de diagnosticar, justamente por não ser resultado de uma lesão ou trauma. O que pode ser feito pelos especialistas é a indicação de diversos exames cínicos e laboratoriais. Assim, pode-se ir descartando outras possíveis doenças que apresentam sintomas semelhantes.   O reumatologista explica que a fibromialgia é uma doença ainda sem cura, mas é possível desenvolver um tratamento que possa dar mais qualidade de vida ao paciente. Os medicamentos antidepressivos e neuromoduladores estão entre os mais indicados em caso de fibromialgia.  Já os anti-inflamatórios e analgésicos simples geralmente não surtem os efeitos esperados. Segundo o especialista, isso ocorre pelo fato de que estes tipos de medicamento não trabalharem para regular o cérebro e, assim,  diminuir a sensação exagerada de dor.  A adoção de hábitos de vida mais saudáveis também pode ajudar muito na redução das crises e sintomas. Entre elas. destaca-se prática de atividades físicas, principalmente os exercícios aeróbicos no solo, como caminhadas, ou na piscina, como hidroginástica, mas sempre feitos com indicação e acompanhamento de um profissional.   Pode ser importante para o paciente procurar também a psicoterapia cognitiva-comportamental, que costuma ser eficaz no tratamento. “Na fibromialgia, a terapia pode auxiliar o paciente a entender e interpretar melhor suas atitudes frente à dor e demais sintomas”,

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *